Banda Le Raleh

EstiloPop Rock
Cidade/EstadoRio de Janeiro / RJ
Plays660.579plays
Tamanho
Imprimir

Desata o nó

Composição: João Felipe Raposo

Quando eu passei você não deu bola pra mim Virou de lado, fingiu que eu não existia Passei na sua frente, te olhei assim Olhar 43 que você não via É muito fácil dizer te amo Eu quero ver você provar amando Desfila linda, me provoca e vem Se não sou eu vai ser quem? Vem cá, minha menina Desata, desatina Vem sentir a onda boa no ar Viaja, me fascina Vai lá e alucina Que eu vou desatar o nó no final Sai dessa, cola seu corpo comigo e dança Deixa os seus braços nos meus ombros e descansa Esqueça o que está ao nosso redor Confia em mim, vou te levar pra um lugar melhor

90.926

plays

Comentários

Filtrar Por:

Playlists relacionadas à musica

Banda Le Raleh

EstiloPop Rock
Cidade/EstadoRio de Janeiro / RJ
Plays660.579plays
VER TODAS AS MÚSICAS
Ver mais vídeos

Comunidade

OuvintesLeão Prosa e outros 1.593 ouvintes
Fã-clubeLafaiete Júnior e outros 95 fãs

Comentários

Filtrar Por:
João Felipe RaposoVoz, Violão
Henrique PernambucoBaixo
Dudu KaplanGuitarra

Release

por Tony Bellotto

Se o Sex Pistols afirmava que não havia futuro na Londres sombria de 1977, a Le Raleh garante que ele também não existe no Rio ensolarado de 2013.

“O futuro acabou de começar e terminar”, canta a banda carioca numa de suas canções. Se a positividade da Le Raleh não tem nada a ver com o desencanto do punk, sua música mantém a crença em viver cada momento como se fosse o último.

Se Chuck Berry foi uma referência para as grandes bandas de rock dos anos 1960, Benjor e outros Jorges são inspiração constante para a Le Raleh.
“E como já dizia Jorge Maravilha, prenhe de razão, mais vale uma filha na mão do que dois pais voando”, cantam com muita malandragem em sua brilhante recriação da música de Chico Buarque.

Mas o que é a Le Raleh exatamente?

É a banda do João Felipe, do Dudu Kaplan e do Henrique Pernambuco, três caras que sacaram que o verdadeiro pop tropical estava escondido debaixo do tapete do samba.

No melhor espírito carioca, o nome da banda soa ao mesmo tempo como uma brincadeira e uma reflexão: Le Raleh se traduz como uma ralé de sotaque francês.

Se existe uma ponte para unir a cidade partida, muitos de seus tijolos podem ser encontrados no disco da Le Raleh.

Se a Le Raleh fala em suas canções das vivências e dos amores de seus integrantes, a grande musa da banda é a cidade.

E João Felipe, Dudu e Henrique não disfarçam sua paixão pelo Rio.
“Rio de Janeiro, minha praia, meu canteiro”, diz uma das músicas do grupo, numa manifestação contundente de sua carioquice.

O que seria de Bob Marley sem a Jamaica?

Le Raleh faz lembrar da Bossa Nova, quando garotos cariocas misturaram samba e jazz para criar uma nova linguagem musical. A falta de preconceito musical da Le Raleh proporciona uma mistura original de samba, rock e reggae que vale a pena ser ouvida. A não ser que, como dizem eles, num dia de sol, numa tarde de domingo, você ache normal continuar dormindo…

Playlists relacionadas

Home