Ingênuo

Pixinguinha

INGÊNUO – Pixinguinha
Eu fui ingênuo quando acreditei no amor
Mas, pelo menos jamais me entreguei à dor...
Chorei o meu choro primeiro
Eu chorei por inteiro pra não mais chorar
E o meu coração permaneceu sereno
Expulsando o veneno pelo meu olhar...
... eu procurei me manter como Deus mandou
Sem me vingar que a vingança não tem valor
E depois também perdoar a quem erra
É ser perdoado na Terra
Sem ter que pedir perdão no céu.
Eu não quis resolver
Eu não quis recusar
Mas do amor em ruína, uma força termina
Por nos dominar e depois proteger
Dos abismos que a vida traçar
Quando o tempo virar o único mal
E a solidão começa a ser fatal...
Eu não quis refletir, não
Eu não quis recuar, não
Eu não quis reprimir, não
Eu não quis recear...
Porque contra o bem nada fiz
E eu só quero algum dia
Ser feliz como eu sou infeliz...

Músicas mais acessadas

Álbuns e Singles/EPs  (4)

Fotos (35)

Clipes (43)

Release

Cantora, compositora e pesquisadora sorocabana, com graduação em Filosofia, Canto Lírico e MPB/JAZZ, trabalha no estudo e criação musical inspirada na diversidade cultural brasileira, interagindo diversas linguagens como a dança, o teatro, o meio ambiente e a sociologia. Do pop ao regional, sua música dialoga com a história e com a arte.