Imagem de capa de João Benitez
João Benitez

João Benitez

Cidade/EstadoCampo Grande / MS
Plays4.315plays
VER TODAS AS MÚSICAS

Comunidade

OuvintesFernando Bisi e outros 181 ouvintes
Fernando BisiFernando BisiFernando BisiFernando BisiFernando Bisi
Fã-clubeKassyopedroz e outros 13 fãs
KassyopedrozKassyopedrozKassyopedrozKassyopedrozKassyopedroz

Comentários

Filtrar Por:
Escreva um comentário
Imagem de João BenitezJoão BenitezVoz, Violão, Piano, Guitarra Solo, Guitarra Base, Baixo, Backing Vocal

Release

João Benitez é um artista que atua em Campo Grande-MS como
instrumentista e intérprete desde 2014, mas que surgiu na cena autoral como
cantor-compositor em 2018 frenteando a banda de slowcore/rock alternativo
Naufrágil. Nela, desenvolveu seu estilo de composição que vai de lentas
baladas de piano a linhas de guitarra agonizantes, amarrados apenas por sua
poética que comumente trata da solidão, da descrença e outras faces sofríveis
da condição humana.

Em 2020, durante o período de isolamento, decide realizar seu
primeiro trabalho solo e produz o EP “Cinco Cânticos na Língua do
Desamparo”, lançado no dia das mães e anunciando o começo de uma
trilogia. O EP, diverso em termos de musicalidade, gira em torno de um
único tema: sua relação com uma infância passada em cidade de interior e
marcada por abusos físicos e psicológicos. Através disso, como aponta
Felipe Takei em sua revisão crítica¹ do álbum, faz reflexões acerca de
homofobia, efemeridade e existencialismo. Foi gravado, produzido, mixado
e masterizado por João Benitez em seu estúdio caseiro.

Em 31/10/2020 lança o primeiro single da banda Naufrágil, intitulado “Balada Do Homem
Ridículo”, também composto, produzido e mixado pelo mesmo.

O segundo volume da trilogia dos cânticos veio nove meses depois do primeiro;
intitulado “Cânticos Da Idade Do Pecado”, o disco mantém o tom
autobiográfico e intimista do antecessor, mas agora trata de experiências da
adolescência como sexualidade, ideação suicida, desilusão amorosa e uso de
drogas.

Em ambos os volumes, o artista busca resgatar uma memória musical
do período que retrata; na infância, brinca com as estruturas simples de
baladas acústicas e synthpop, seu primeiro contato com a música. Na
adolescência, solos de guitarra se misturam a linhas de trompete e
contrabaixo, ilustrando a descoberta de ritmos como grunge e o jazz.
Seu trabalho é intimamente relacionado a literatura e psicanálise,
tendo suas letras comumente alusões a essas áreas.

Em 2020, lançou sua primeira coletânea de contos, “Vozerio Dos
Desgraçados”, o qual ganhou o Prêmio Leia MS, a nível estadual. Também
co-escreveu uma HQ ao lado de Eduardo Azevedo. Ilustrou as capas de seu
primeiro livro e do primeiro single da Naufrágil.
Além disso, realiza trabalhos como compositor de trilhas sonoras,
tendo feito trilhas comerciais para o Coletivo Labor, bem como para os
curtas-metragens promocionais “Biografia Não Autorizada de Minha Avó
(que viveu em Marte)” e “Os Dramas Salgados do Homem Que Não Era
Amado”.

1. http://coletivolabor.com.br/minha-fantasia-nada-bela-sombria-e-retorcida

Playlists relacionadas