Livres!

EstiloRock
Cidade/EstadoSerra / ES
Plays3.757plays

Comunidade

Ouvintes e outros 6 ouvintes
Fã-clubeJoao Ricardo Romerito e outros 16 fãs

Comentários

Filtrar Por:
Escreva um comentário
Imagem de LuppiLuppiVoz, Saxofone, Guitarra Base, Backing Vocal
Imagem de Chris MunhãoChris MunhãoGuitarra Solo, Backing Vocal
Imagem de PCPCVoz, Gaita

Release

Serra ES, primavera de 2006. Chris Munhão (Guitarra) e PC (vocal e gaita), terminam a gravação de uma canção no homestudio de Chris. A canção se chama “ O Homen Invisível”. Empolgados, os rapazes abrem uma cerveja para comemorar mais uma música composta por eles, para um projeto de um CD-Demo. Esta era a terceira song da empreitada. E lá pela quinta ampola eles já profetizavam a formação de uma banda de rock.
Dias depois, Chris recebe a visita do amigo Jode (Bateria), e após uma audição, Chris faz o convite para que Jode entre na Banda. E logo depois, os dois convidam Leandro (Baixo) para entrar também. Logo, Charles (Guitarra,Sax e Vocal) também compra a idéia e se une a eles. O time estava formado e logo partiram para os ensaios.
Vários nomes para a banda foram listados mas nenhum deles pareciam representar fielmente a proposta musical. A química das composições de Chris e PC, tinha influências dos primórdios nomes do rock nacional. Raul Seixas, Tutty Fruty, Barão Vermelho entre outros. Aí, num momento de inspiração, surgiu o nome LIVRES! O nome parecia estranho a princípio, mas o conceito de liberdade caiu como uma luva ao propósito. Ser livre, é o que todos nós, seres humanos ocidentais queremos. Sem distinções!
O humor presente na ideologia dos LIVRES, contagia os mais céticos e (ou) puristas de plantão desse país. A proposta é de levar um pouco de alegria e irreverência, a uma geração tão atormentada pela busca da tristeza nas expressões artísticas. Especificamente, na música (ou no rock, como quiserem). Um não a cultura “EMO” que parece contaminar a atitude dos nossos jovens. Cultura esta, que os influência a serem melancólicos.
Os LIVRES, vem pra adoçar as bocas amargas dos “emos”, dos encarcerados, e daqueles que se esquecem que a tristeza existe em tudo. Por isso, não é preciso buscá-la. Ela sempre vem de algum jeito. Já a alegria, é um tesouro escondido em nós mesmos. A Verdadeira riqueza que devemos garimpar. E finalmente sermos LIVRES!

Playlists relacionadas

Contrate