Imagem de capa de Priscilla Fenics
Priscilla Fenics

Priscilla Fenics

Cidade/EstadoSão Paulo / SP
Plays504.619plays
VER TODAS AS MÚSICAS
Ver todos os álbuns
Ver mais vídeos

Comunidade

OuvintesMarly Souza e outros 1.474 ouvintes
Marly SouzaMarly SouzaMarly SouzaMarly SouzaMarly Souza
Fã-clubeMarly Souza e outros 66 fãs
Marly SouzaMarly SouzaMarly SouzaMarly SouzaMarly Souza

Comentários

Filtrar Por:
Escreva um comentário
Imagem de Dj NielyDj NielyDJ
Imagem de Suh MenezesSuh MenezesBacking Vocal
Imagem de BeiLLiBeiLLiGuitarra, Backing Vocal

Release

Priscilla Fenics atua no rap desde 2005, lançando seu primeiro álbum Só a Gente Sabe em 2013. Outros gêneros como o soul, o reggae, e agora o trap, marcam a música da artista, que já se apresentou por diversas cidades, com passagem por eventos como Feira Preta, Virada Cultural, Bienal de São Paulo, Fórum Social Mundial e Latinidades.

Arbocaura, com lançamento para o dia 18 de junho, tem como principal assunto o projeto político do país, pautado no racismo, no sexismo, nas territorialidades e na desestabilidade social e cultural. As 11 faixas do álbum possuem uma narrativa em seqüência, com críticas à legitimação de políticas racistas até a necessidade de autocuidado em tempos de pandemia, evidenciando críticas e reflexões sobre a responsabilidade artística, como em “Flores”, “A Rua Vai Cobrá” e “Nublindawn”.

As temáticas políticas e sociais sempre estiveram presentes na poesia de Priscilla Fenics, que agora contribui com novas visões „abusando‟ de ritmos e flows pra chamar a atenção. "A ideia é surpreender com os beats, mas também criar conexões e sentidos diversos diante das narrativas”, diz Priscilla Fenics.

O país enfrenta uma de suas maiores crises sanitárias, sociais e democráticas. Mais de 470 mil mortes por covid-19, até início de junho de 2021, aumento decasos de violência contra mulheres (uma em cada quatro segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública – Estadão, 07/06/2021), ações contra a liberdade de imprensa e de posicionamento político, e um aumento no abismo entre a riqueza e pobreza. “E ainda assim, pessoas diretamente atingidas apoiam esse projeto político, reproduzindo muitos pensamentos e ações que só nos prejudicam. Também é parte da nossa responsabilidade. É sobre refletir para transformar. Primeiro a si, depois o mundo. Precisamos nos unir mais”, diz Priscilla Fenics.

O disco tem participação especial da cantora Vanessa Jackson (Sou + Eu), das poetas Ryane Leão (Brilha e Queima) e Suh Menezes (Meia Quatro), ambas faixas já disponíveis em lyricvideo, da assessora e pesquisadora Nerie Bento (Avisa Lá) e da cantora e rapper Brisa Flow (Marginal). As músicas foram gravadas, mixadas e masterizadas, no estúdio digital do Duck Jam, na zona noroeste de São Paulo. Quem assina a direção e produção musical é o BeiLLi, que já fez parte do grupo de rap Apocalipse 16. A capa do disco é da artista visual Soberana Ziza.

Você encontra Priscilla Fenics no instagram como @priscillafenics e no youtube youtube.com/priscillafenics

Playlists relacionadas