Ze Trovao

Ze Trovao

EstiloMPB
Cidade/EstadoJoão Pessoa / PB
Plays4.244plays

Comunidade

OuvintesFilipe Cavalieri e outros 0 ouvintes
Filipe Cavalieri
Fã-clubeJuvenal dos Santos Feitosa e outros 12 fãs
Juvenal dos Santos FeitosaJuvenal dos Santos FeitosaJuvenal dos Santos FeitosaJuvenal dos Santos FeitosaJuvenal dos Santos Feitosa

Comentários

Filtrar Por:
Escreva um comentário

Release

Por Cristina Guedes

Por que utilizar o terreno da simbólica para traduzir o mundo interno
de um artista e seus misteriosos labirintos? Comunhão com o
semelhante? Situações da forma ou seria mesmo a beleza invulgar das
propriedades ameaçadoras das inovações? Nós não sabemos quando um
cisne quer nos presentear com seu branco em vôo, mas a convulsão
lúdica do pernambucano radicado em João Pessoa desde os anos 80, José
Trovão, é de representação com o anímico e traz desafiadora leitura
para o cenário musical vigente. Ao constatar esse trabalho enxuto e
poeticamente surrealista, com dicção muito pessoal, vejo os polos
leitor-autor-compositor se preparando com grade força. Sua metáfora no
cd VALE A PENA VIR DO OVO é insólita e marcantemente imprevisível.

Em breve uma enorme pilha de gemas, em oferenda ritual, sairão
maravilhadas em gigantescas gemadas de letras. Porque casca é só pra
ovo ver. E vir do ovo é indagar no impulso o mergulho no fundo da
alma. É a voz do compositor José Trovão ao chegar da aurora clareal.

Bem, mas é longa a trajetória das pessoas que nunca se conformam com o
estado das cascas do ovo mundo. José Trovão, como uma grande gema
inconformada, prefere nascer da verdade para depois cercá-la de bom
humor e irreverência. Com muita energia, ele sempre lutou por tudo,
para de tudo poder gostar com energia ainda maior nesse novo disco.
Mas esse artista percorreu um longo caminho de escolhas certas e
outras bem claras que quase não habitam nenhuma maioria, aquelas
descascadas pelo tempo e que não partem em dor o fio que aprenderam.
Justamente é isso que o faz viver sempre melhor que muita gente,
porque acredita na amizade, na força, no trabalho e na melhor forma de
ver a vida artística ocorrendo sempre.

José Trovão é um globetrotter que distingue bom gosto do meramente banal
dos nossos dias. Seu trabalho é de depuração permanente, que conduz a
uma elegância do gostar muito positiva: o objetivo final é mover tudo
pela arte mais criativa de suas letras, gestos e expressões no palco.

E é precisamente isso que ele mostra aqui junto desses grandes amigos
e músicos apresentados. O CD de José Trovão é mesmo um achado de
distinções e criações inusitadas. Mas, ditadas primeiro pelo coração
grande e trovonoso dele. E, segundo, pela boa percepção musical que
desenvolveu nesses anos; percebendo o cisne em vôo, ele garganta com
suavidade.

Esse momento torna brilhante sua presença no circuito das plenas
escolhas. No falar, no agir, no compor, no estar fora e dentro desse
ovo que ele nos fala com proverbial autonomia e que nos é visível
externamente. Para tudo isso existe um tom em José Trovão, mas que não
está dentro das cartilhas de rebeldia. Ele achou esse tom. Curou-se.

Achou e espalhou com sua voz sem a menor cerimônia e numa boa dose de
poesias arfantes. Zé sempre está à espera do gesto humano, acima de
tudo, muito sensível. Mas você não vai poder segurar o seu riso por
muito tempo estando perto dele. Ele vai te fazer rir no final. Ele
sempre faz questão de exibir e provocar, nos outros, essas belezas em
terno abraço.

Não que a sua vida artística tenha sido apenas deleite despreocupado
entre brilhantes amigos. Nada disso. José Trovão é livre para vagar e
provocar. Agora é pra chocar mesmo esse ovo. Vejam que o seu chapéu
está fervilhante numa fita amarela. É essa sua charada social saída da
gema. E agora a pergunta: o que vai ser da clara que era morna e
quieta dentro do ovo? Pensem nisso.

José Trovão é assim: continuando bonito e mais ligado, um pouco de febre
também. Sabe de tudo. E se a civilização dos maias não lhe interessar
é porque muito tem dentro dele que se possa unir aos seus
altos-relevos.

Grandes são os magos brasileiros e os nordestinos fulminantes da nossa
MPB. Com bom senso, insisto, liberdade e às vezes contrariando quem
não entende, José Trovão segue transpirando selvagem sua dosagem crítica
essencial. Pois ele não é um conformado entre seus troféus, e eu aviso
mais: ele tem nas mãos uma longa lança com todo arsenal de guerreiro.
De fora ou de dentro, benzem os celtas, maias e os druídas os seus
caminhos. É que cada guerreiro quando habita a terra purifica a lama
das considerações vulgares, e essa é a condição de felicidade do
autoconhecimento. A beleza que descobrimos em não continuar nas
blindagens dos desacordados. Convém não se cristalizar nessa
sociedade e viver o culto da energia interior cromática.

Agora o que ficar combinado nos palcos? José Trovão combina mesmo e
cumpre imantado pelo fazer partilhado!

Nessa experiência de realizar o seu fazer com gentileza e com o
coração do público, José Trovão experimentou de novo um ato sagrado ou
um aprendizado intraduzível de emoções. Agora este cd quer facilitar a
vida de quem ouve bem ou de quem ?ova bem?, como ele diria. Afinal, as
boas maneiras da música tornam o clima alegre das suas apresentações.
Mas o assunto é inesgotável e boa música não é artigo de luxo, mas sim
de primeira necessidade.

Olhem essa face sem normas: ?nunca pertenci a nenhum movimento,
sempre pertenci a muitos. Para os mais formais, sou de um meio musical
indefinido, uma espécie de ovoador bem identificado, uma pessoa com
idéias próprias. Os estatutos dos palcos não são os de salão", diz José
Trovão.

Mas, músicas são faíscas que provocam correntes elétricas que precisam
ser conectadas no público, e sons são vírgulas no ar, exclamações na
cabeça e declarações nas bocas. Já palcos parecem ciladas ou caminhos
abertos na vida. Já ouvidos deveriam ser respeitados como orações.
Assuntos são músicas. Ou, se deixem surpreender nesse cd.

Por isso, José Trovão, vá em frente mesmo, sem o menor pudor de quebrar
as regras do ovo ou da piada do pinto. Ria muito e não tenha cuidado
com o excesso da risada. Essa coisa misteriosa que quebra e conjuga
cifrões é a vida bem vivida. É distribuição de gema qualificada.

Mas, pra início de conversa, me lembrei que muitos sobrevivem sem
romances e sem namoros, mas nunca sem amigos. As tias, os filhos, os
pais e os abrigos das casas são boas criações para todos nós, mas a
música como arte está para além de nossos cuidados. É ela quem traduz
melhor o sentimento e tanto dos seus amantes artistas. Você pode até
estudar, brincar e ter poderes, mas mesmo um homenzinho do tamanho de
um furabolos, se esse for um artista, ele sonhará e dirá da sua arte
dentro da sua alma até um dia explodir. Então, não amolem os minutos
contados por um homem que se libertou e que agora tem muito que fazer
pelo mundo.

Vamos chocar juntos. Pois todos que vierem da panela de pressão que se
destampa agora terão de explodir.

Imagine.

Playlists relacionadas

Contrate

FILIPE CAVALIERI

(21) 9693 - 9731 | (21) 3681 - 7409https://www.palcomp3.com.br/zetrovao/